Os gêneros textuais na aprendizagem significativa


Por: Daniele Júlia Nascimento Martí

Será que listas infinitas de exercícios repetitivos para completar lacunas com substantivos, advérbios, verbos, pronomes, preposições, conjunções, entre outras classes gramaticais levam o aluno à aprendizagem efetiva? Será que a aprendizagem assim almejada se dá por exaustão e repetição, pura decoreba? Como bem disse Benjamin Franklin “Diga-me eu esquecerei, ensina-me e eu poderei lembrar, envolva-me e eu aprenderei”. Nesse enfoque acredito que as sequências didáticas são excelentes para esse fim: Envolver o aluno!

As Sequências Didáticas (SD) são atividades, organizadas e ligadas entre si, planejadas de forma encadeada, para ensinar um conteúdo, de acordo com objetivos do professor e envolvem desde a avaliação diagnóstica do conhecimento prévio do aluno sobre o tema, e uma constante verificação do que ele aprendeu e o que ainda falta aprender. As SD podem ser utilizadas em qualquer disciplina, praticamente em qualquer conteúdo, considero como a mais produtiva das modalidades organizativas do trabalho pedagógico, principalmente em se tratando de gêneros textuais e gramática, pois auxiliam o professor a organizar o trabalho na sala de aula de forma gradual, partindo de níveis de conhecimento que os alunos já dominam para chegar aos níveis que eles precisam dominar. Aliás, o professor certamente já faz isso, talvez sem dar esse nome. Mas existe, porém sempre é importante pensar como é mais fácil aprender... e partir das seguintes questões: O que meu aluno sabe sobre o tema? O que eu quero que ele saiba? O que eu sei sobre isso? O que eu preciso saber? Qual a melhor maneira de mostrar essas características ao meu aluno para que ele perceba certas regularidades, irregularidades, para que ele perceba o que faz parte ou não desse determinado Gênero Textual, por exemplo.
Dessa forma, ensinar os alunos a dominarem determinado gênero fica mais fácil e prazeroso, pois acontece passo a passo. Podendo ser planejada etapa por etapa com os próprios alunos, explorando gêneros diversos na comparação e estudo das características de cada um dos escolhidos ou elencados para determinada faixa etária ou época do ano, praticando leitura e escrita, em diferentes aspectos até se propor uma escrita final. Leitura, escrita, oralidade e aspectos gramaticais são trabalhados em conjunto, caracterizam-se como uma vantagem nesse trabalho, dando SENTIDO à aprendizagem.
                Quanto ao professor , é preciso estar preparado para o trabalho, portanto é necessário estudo e empenho, mas o resultado com certeza é uma das gratificações desse trabalho, muito prazeroso, por sinal.
                É preciso ter alguns conhecimentos sobre o gênero que se quer ensinar e conhecer bem o grau de aprendizagem que os alunos já têm desse gênero. Isso é necessário para que a sequência didática seja organizada de tal maneira que não fique nem muito fácil, o que desestimulará os alunos porque não encontrarão desafios, nem muito difícil, o que poderá desestimulá-los a iniciar o trabalho e envolver-se com as atividades. Outra necessidade desse tipo de trabalho é a realização de atividades em duplas e grupos, para que os alunos possam trocar conhecimentos e auxiliar uns aos outros. Portanto, se você ainda é um professor tradicional que acredita que os alunos aprendem melhor individualmente, pois não conversam nem fazem “bagunça”, que tal tentar mudar essa postura e envolver e envolver-se com a turma? Os alunos parecem indisciplinados em trabalhos assim nas primeiras investidas, mas você vai perceber que eles vão se adaptando ao novo e o trabalho começa a fluir, mas não vá desistir na primeira tentativa, hein!!!

Logo, logo, você vai perceber que o seu trabalho ficará mais fácil, menos desgastante e muito mais produtivo e prazeroso, e você ficará com os louros! 

Sugestão de trabalho de Heloísa Amaral, Cenpec:
1.       Apresentação da proposta
2.       Partir do conhecimento prévio dos alunos
3.       Contato inicial com o gênero textual em estudo
4.       Produção do texto inicial
5.       Ampliação do repertório sobre o gênero em estudo, por meio de leituras e análise de textos do gênero
6.       Organização e sistematização do conhecimento sobre o gênero: estudo detalhado de sua situação de produção e circulação; estudo de elementos próprios da composição do gênero e de características da linguagem nele utilizada.
7.       Produção coletiva
8.       Produção individual
9.       Revisão e reescrita
Um trabalho bem interessante realizado dessa forma é a Olimpíada da Língua Portuguesa, vale a pena conhecer e aprender mais... e se você já trabalha dessa forma, fortalecer seu trabalho, Parabéns!



Para saber mais sobre Modalidade Organizativas do Trabalho Pedagógico:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A importância de transformar uma cidade em Cidade Inteligente

A Educação que queremos surgirá no pós pandemia

O Desafio da Formação Continuada