Desafios Educacionais para o Prefeito em 2017

Este texto é o primeiro de uma série que pretende debater aspectos da educação municipal, como desafios para a nova gestão da Prefeitura Municipal de Itupeva/SP e sua Secretaria de Educação. 
_______________________________________________________________________

Por: Daniele Júlia Nascimento Martí


Em se tratando de desafios sabemos que prefeitos eleitos terão muitos em todos os aspectos e não só em um ou outro município, mas em todo Brasil.

Pensando em Educação, os índices mostram que a Educação no Brasil vai mal e é papel dos Prefeitos cuidarem das bases da Educação Nacional, gerindo recursos e ações da Educação Infantil até o 5º ano do Ensino Fundamental em Itupeva/ SP, por exemplo.

Temos nos anos iniciais como índice do IDEB uma evolução de 3,8 de 2005 (ano que iniciou a ser calculado no país) para 5,5, em 2015.

No município de Itupeva esse índice foi de:

2005 - 4,5
2007 - 4,4
2009 - 4,6 
2011 - 5,0 
2013 - 4,7 Governo Atual
2015 - 5,1 (a meta era de 5,7)

Veja o gráfico:


                                                                                          Fonte: QEdu.org.br. Dados do Ideb/Inep (2015).





O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) é um indicador de desempenho a educação brasileira divulgado a cada dois anos pelo Instituto Nacional de Estudos e pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia do Ministério da Educação (MEC). O Ideb relaciona duas dimensões: o desempenho dos estudantes em avaliações de larga escala e a taxa aprovação. O desempenho é calculado a partir da Prova Brasil/Saeb, quando os estudantes do 5º e do 9º ano do Ensino Fundamental e da 3ª série do Ensino médio são avaliados em Leitura e Matemática. Os dados de aprovação são verificados a partir do Censo Escolar da educação Básico, realizado anualmente. O Ideb é calculado para escolas e para sistemas de ensino que monitoram o seu desempenho em relação a metas individuais pactuadas com o governo federal. O índice varia de 0 a 10: quanto maior for o desempenho dos alunos e o número de alunos promovidos, maior será o Ideb. (Fonte: http://portal.inep.gov.br)

Como se pode ver, a situação educacional em Itupeva/ SP teve um período de estagnação. Tendo  agora em 2017, uma meta de 5,9 e em 2021 de 6,4.

Sabe-se que o governo atual, foi um dos governos que menos ofereceram cursos de capacitação e formação aos seus professores, foi o governo, também, onde muitos professores contratados por tempo determinado através de Processo Seletivo substituíram professores licenciados e muitas vezes assumiram classe sem ter o preparo necessário para o trabalho com o sistema adotado pela rede e do trabalho desenvolvido e tinham seus contratos encerrados no percurso do ano letivo, tendo outro professor que assumir a turma. É sabido, também, que o sentimento de pertencimento é fundamental para que o trabalho seja realizado com eficácia. A continuidade no processo de formação em serviço é primordial, já que o professor consegue colocar em prática e debater com seus pares tudo o que vem sendo aprendido e debatido em curso, tendo feedback dessa aprendizagem.

Sabe-se quão importante foi a conquista do 1/3 da jornada para estudo, mas a reflexão que devemos fazer é: "Como esse 1/3 vem sendo utilizado?"

Um dos desafios mais pontuais dos novos gestores será como proceder para que a Formação em serviço não seja 'mais do mesmo' e como oportunizar que esses professores e educadores tenham realmente a seu favor e da aprendizagem do aluno formações continuadas em serviço como prioridade.

Além disso, os profissionais destinados a coordenação, supervisão e gestão de todo o processo precisam receber suporte constante. É preciso que tenham uma visão ampla do sistema e do processo de aprendizagem, não priorizando o treino para avaliações externas, o que já está provado que não tem eficácia. Esses profissionais de suporte pedagógico precisam com urgência passar pelo Processo Seletivo interno para ocuparem os cargos em definitivo, já que ao assumir, a nova equipe gestora estará Pro Tempore em seus cargos. E para que possam ser capacitados por equipe de excelência, e não por empresa de Material Apostilado, que em sua maioria não conhece a realidade da escola pública e  não possui gabarito para tanto. É fundamental que os professores trabalhem de modo que os conhecimentos a serem desenvolvidos sejam apreendidos por seus alunos.

Outro grande desafio que se faz urgente é a implementação de uma política pública que favoreça a inserção das tecnologias de forma consistente e consciente em todas as salas de aula.

Mas como gerir tudo isso em meio à Contingência Financeira decretada pelo atual governo?

É imprescindível um planejamento financeiro que vise a redução de verbas destinadas à convênios e terceirizações, um empenho no sentido de investir-se em recursos humanos efetivos, em capacitações desde os primeiros meses do ano, diminuição de contratação com Cargos em Comissão, e priorizar-se o investimento em servidores de apoio administrativo,como agentes de infraestrutura e de políticas sociais, vide LC 389/ 11/11/2015.

Ainda, viabilizar re-estruturação da Educação Infantil, expansão do atendimento de Jovens e Adultos, universalização do atendimento educacional especializado, da população dos 4 (quatro) aos 10 (dez) anos, com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, com salas de recursos multifuncionais, preferencialmente de forma inclusiva ou com classes, escolas ou serviços especializados, conforme estratégias definidas no PME (Lei 20134/ 19/06/2015), com criação de núcleo para suporte e capacitação desses profissionais que farão atendimentos desses alunos nas escolas, investir em formação pedagógica para os professores das especialidades de Música, Educação Física, Inglês e Filosofia para atendimento com qualidade didática. Favorecer a valorização dos professores e profissionais de educação com simpósios, debates, fóruns, palestras, seminários ampliando o espaço para estudo e da divulgação científica.

Em tempo, é essencial que aja participação da comunidade nas instâncias escolares, como a criação de Conselhos Escolares para a implementação definitiva de uma gestão verdadeiramente democrática e transparência em todas as ações.

Meu desejo é que a Educação Municipal de Itupeva entre em um Novo Tempo, de prosperidade, de crescimento, e que tenhamos novamente orgulho de pertencer a essa Rede.
________________________________________________________________________________

Daniele Júlia Nascimento Martí
Professora de Ensino Fundamental e Ed. Infantil, há 17 anos
Pedagoga Especialista em Gestão de Instituições Educacionais Especialista em Tecnologias Educacionais Coordenadora Pedagógica de Educação Infantil e Ensino Fundamental de escolas municipais (rurais e urbanas).
Fui Tutora Pedagógica Especialista em Curso de Licenciatura em Pedagogia (pela Unicoc) Coordenadora e Formadora de Programa de Formação de Professores em Tecnologias Educacionais, que abrange a dimensão de formação, fornecimento de equipamentos e materiais digitais - Proinfo Integrado da SEED/ MEC - governo federal do Brasil (de 2008 a 2011) Coordenadora na Implantação de Sistema de Gestão - Planeta Educação - Future Kids - Vitae (Coordenei a implantação do sistema, sua alimentação e manutenção, emissão de boletins e históricos, de junho de 2009 a maio de 2010, na rede municipal de Itupeva, quando o contrato foi rescindido, liderando pessoal de apoio administrativo em 26 escolas municipais), além de cuidar da manutenção com informações, curiosidades e matérias relacionadas à educação no site da Diretoria de Educação de Itupeva/SP, neste mesmo período. Assessoria Pedagógica, Administrativa e Tecnológica em montagem de escolas e creches desde o esboço do projeto até sua implantação, e acompanhamento nas diversas dimensões da Gestão Educacional.
Membro da Diretoria Executiva e Coordenadora de Tecnologias Educacionais da Abrapee Nacional e Estadual de SP


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A importância de transformar uma cidade em Cidade Inteligente

A Educação que queremos surgirá no pós pandemia

O Desafio da Formação Continuada