O perigo de se fazer uma gestão voltada para os resultados dos exames

Por: Daniele Júlia Nascimento Martí
Temos visto cada vez mais gestores preocupados excessivamente com os resultados dos Exames externos e notas do IDEB, o que tem feito com que os currículos sejam substituídos pela matriz de avaliação, objetivos e metas por descritores. É como dizer que o educando só necessite aprender o que cai nos exames.
A função desse tipo de avaliação é diagnosticar, orientando os sistemas para onde está o problema, onde estão os acertos.
Porém o que tem acontecido é que está havendo confusão com o que fazer com esses resultados, passando-se a treinar os alunos para resultados melhores, isso me causa um certo arrepio, confesso.
As avaliações mostram para nós onde estão os problemas que devem ser atacados, mas não de forma mecânica, mas visando uma melhoria em larga escala e longo prazo. O que precisamos entender é que a avaliação externa e seus resultados estão nos apontando uma direção, para a adoção de melhores formações docentes, publicação de materiais adequados para essa formação, além disso, é necessário valorizar outras competências que não a de resolver adequadamente a testes e exames, mas que se desenvolver competências globais nos alunos.
Torna-se importante verificar quais os pontos fracos e encontrar formas de trabalhá-los para que os alunos compreendam, utilizando-se outras estratégias didáticas para alcançar esse objetivo. É fundamental retomar a concepção de avaliação como processo e não como foco do ensino, estamos caminhando na mão contrária. Deve-se avaliar a instituição, os processos, o planejamento, os materiais utilizados, a gestão da escola, o conjunto do corpo docente. Sabemos que se o aluno vai mal joga-se a culpa nele próprio, nos fatores socioeconômicos, na família e no professor. É imprescindível verificar as falhas na formação, na orientação que recebe e nos procedimentos da gestão pedagógica e administrativa das escolas e das redes. É uma responsabilidade a ser partilhada com toda a sociedade, desde as universidades que não trabalham a prática de sala de aula. É necessário formar em serviço e com seus pares, na troca de experiências e no diálogo com a prática e rever os currículos dos cursos de formação inicial de professores para que os mesmos venham com o preparo para trabalhar com essa formação de nossos educandos.
É a partir das ações da gestão do ensino que se percebe a concepção e o que se tem por premissas sobre Gerir Educação. É a partir disso de questões como o que é Educação para nós? Para que estamos formando? Que cidadãos estamos e queremos formar? Mais críticos e autônomos, mais reprodutivos e passivos? Estamos trabalhando para garantir que colaborem entre si ou compitam entre si? E nossos professores estão felizes com os resultados de suas ações? Eles têm noção da Dimensão dos resultados desse trabalho que vem sendo desenvolvido? Queremos formar cidadãos ou apenas melhorar indicadores?

Por uma Avaliação mais humanizada, mais amorosa, mais formativa, abaixo à Pedagogia do Exame, como diria Luckesi.



Daniele Júlia Nascimento Martí
Professora de Ensino Fundamental e Ed. Infantil, há 17 anos
Pedagoga Especialista em Gestão de Instituições Educacionais Especialista em Tecnologias Educacionais Coordenadora Pedagógica de Educação Infantil e Ensino Fundamental de escolas municipais (rurais e urbanas) Fui Tutora Pedagógica Especialista em Curso de Licenciatura em Pedagogia (pela Unicoc) Coordenadora e Formadora de Programa de Formação de Professores em Tecnologias Educacionais, que abrange a dimensão de formação, fornecimento de equipamentos e materiais digitais - Proinfo Integrado da SEED/ MEC - governo federal do Brasil (de 2008 a 2011) Coordenadora na Implantação de Sistema de Gestão - Planeta Educação - Future Kids - Vitae (Coordenei a implantação do sistema, sua alimentação e manutenção, emissão de boletins e históricos, de junho de 2009 a maio de 2010, na rede municipal de Itupeva, quando o contrato foi rescindido, liderando pessoal de apoio administrativo em 26 escolas municipais), além de cuidar da manutenção com informações, curiosidades e matérias relacionadas à educação no site da Diretoria de Educação de Itupeva/SP, neste mesmo período. Assessoria Pedagógica, Administrativa e Tecnológica em montagem de escolas e creches desde o esboço do projeto até sua implantação, e acompanhamento nas diversas dimensões da Gestão Educacional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A importância de transformar uma cidade em Cidade Inteligente

A Educação que queremos surgirá no pós pandemia

O Desafio da Formação Continuada